Visto de fora é sempre tão bonito…

O Nelson Peralta chamou-me a atenção para este pedaço de prosa no New York Times acerca de Aveiro, em jeito de guia turístico. A ironia cósmica de que fala o Nelson é de facto curiosa, mas o artigo também nos põe a pensar sobre como a distância dá um charme especial a quase tudo.

Para quem vive o quotidiano de Aveiro, por muito que espaços como o Mercado Negro (justamente destacado no artigo), entre outros, introduzam uma componente de cosmopolitismo que não existia há 10 ou 20 anos atrás, basta olharmos para o estudo acerca dos públicos do Teatro Aveirense, por exemplo, para termos a confirmação de que a população universitária não está assim tão “ligada” à vida da cidade. Com culpas partilhadas, certamente…

Mas a descrição quase idílica da Sarah Wildman dá mesmo vontade de ser turista por cá.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>