Bicing vs. BUGA

Através deste post no digit@lIP, fiquei a conhecer o projecto Bicingn, de Barcelona, que partilha imensos aspectos em comum com a nossa BUGA – Bicicleta de Utilização Gratuita de Aveiro. Acho que vale a pena estar atento ao desenvolvimento deste projecto, para ver até que ponto numa cidade com a dimensão de Barcelona, os problemas que afectam o conceito original da BUGA se aplicam ou não.

Uma das questões, a ausência de vias e percursos cicláveis bem planeados parece estar a ser acautelada na capital catalã. E isso, juntamente com a lógica não turística e virada para a ideia base de que este sistema de bicicletas pode fazer parte dum sistema de transportes públicos alternativos, na minha opinião, conta muito… mais do que os aspectos hi-tech dos cartões magnéticos e da disponibilidade online e em tempo real dos números de bicicletas em cada “estação”.

É de estar atento.

3 pensamentos em “Bicing vs. BUGA

  1. Como aveirense que também sou, concordo a 100% consigo.

    E mesmo que não existisse a buga, penso que nunca haverá adesão ao biciclismo como transporte público enquanto não houver condições.

    Quantas vezes me apetece andar na minha bicicleta para rumar ao centro da cidade e quantas vezes penso: “ora daqui até ao centro por onde posso ir sem ter que me preocupar com carros desvairados?” e infelizmente a resposta é insatisfatória.

    Se houvesse uma grelha de percursos bem definida onde existisse a possibilidade de existir pelo menos um percurso que me permite chegar a qualquer ponto útil da cidade, já haveria muito maior adesão.

    Antes de terminar, e desculpe o comentário longo, queria dizer que acho (not!) imensa piada haver um novo segmento de pista mesmo em frente ao antigo cinema 2002 só que é mais perto da estrada que os estacionamentos… ou seja, podemos nos deparar com carros estacionados em segunda fila ou mesmo estar na nossa vidinha e vir um carro a estacionar e puff!

    Abraços

  2. Fico triste em saber que as Bugas foram alteradas para serem algo mais “turistico” pelos comentários no post que indicaste porque sempre achei que aquele sistema tinha muito potencial de se tornar um meio de transporte eficiente se fizessem ciclovias decentes…

  3. @Dextro: “se fizessem ciclovias decentes” é, de facto, a condição sine qua non para o funcionamento do sistema. Sem ela, que é o que se passa, por muita piada que tenham as BUGAs, não há nada a fazer… aliás eu defendi desde o princípio que o dinheiro aplicado no projecto BUGA devia ser inicialmente investido em ciclovias. A bicicleta propriamente dita, seria uma boa 2ª fase, considerando que nesta cidade há muita gente que tem a sua própria bicicleta.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>