Penélope

hoje não recordo trabalhos nem tormentas.
não recordo sequer a duração ou os infortúnios da viagem de regresso a casa.

mas ao cruzar a familiar porta de entrada, uma explosão em câmara lenta dilacerou-me em cansaços desconhecidos.

imagino que aqui estejas e que seja tua a mão que me reconforta.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>