Pragmatismo

Hoje fui a uma grande superfície, ajudar uma pessoa amiga a escolher um computador portátil. Ajudei a comprar um computador que nada tem a ver comigo: um portátil de 15.6″, um bocado maior do que gostaria, vendido com Windows 7 pré-instalado. Já em casa, ajudei na configuração inicial e registo do hardware, instalei um antivírus gratuito (AVAST), um browser alternativo ao Explorer (Google Chrome) e o OpenOffice. E expliquei como activar a experiência de 60 dias do MS Office que, provavelmente, será adquirido no fim do período em que as 2 suites de escritório vão estar a ser “testadas”.

Noutras alturas, provavelmente não teria feito isto. Teria tentado convencer a pessoa que era melhor comprar um Mac (era o que esperavam de mim, de certa forma). Ou teria sugerido instalar Linux na máquina, fosse ela qual fosse. Ou teria simplesmente argumentado a favor de soluções mais leves e portáteis, tipo netbooks…

Não ignorei nenhuma dessas questões, mas tentei pôr-me no lugar da pessoa que me pediu conselho e cheguei facilmente à conclusão que, para o que ela precisava, a melhor solução, em termos dum compromisso “preço/qualidade/performance/mobilidade/ergonomia” era mesmo uma daquelas coisas que nunca compraria para mim.

Podemos chamar-lhe pragmatismo. Podemos chamar-lhe maturidade. Espero que tenha sido útil.

Parques de Campismo — aceitam-se sugestões

A nossa família nuclear está pronta para se estrear na qualidade de “campista”. Somos 3, a Maria fez 3 anos em Maio, temos uma tenda de campismo nova, daquelas fáceis de montar e desmontar, um daqueles sacos-cama com colchão muito burgueses e vontade de começar com experiências curtas, de fim-de-semana, para ver como nos ajustamos todos à condição de campistas em família. Como já lá vai muito tempo desde as nossa últimas aventuras campistas, sozinhos ou como casal e as circunstâncias mudaram bastante, aceitamos, procuramos e agradecemos sugestões de parques de campismo simpáticos para essas experiências.

Podem deixar aqui na caixa de comentários as vossas sugestões, preferencialmente positivas, mas negativas também podem ser úteis. Falem-nos de Parques de Campismo onde tenham estado ou que conheçam, mas falem-nos também das vossas experiências e de coisas que nos possam ser úteis e que podemos estar a esquecer. Todas as vossas contribuições serão bem-vindas. E o resultado das sugestões e das nossas aventuras hão-de vir cá parar.

Para já, procuramos locais em território nacional (continente) e, eventualmente, zonas em Espanha, próximas da fronteira. A ideia é que sejam locais a que possamos chegar facilmente (partimos de e regressamos para Aveiro, de carro).

Obrigado.

Tragicomédia clássica, aqui e agora

Saiu de casa para uma corridinha para espairecer, numa terra que lhe era menos familiar do que ele gostaria de admitir. Uma decisão irreflectida no percurso, associada à teimosia que lhe era característica, acrescentou meia hora de sofrimento em subidas e descidas angustiantes em locais que não reconhecia e numa geografia que desafiava as referências que lhe pareciam óbvias. Era só uma corridinha e acabou por reencontrar o caminho para casa, mais cansado e dorido do que alguma vez admitiria e com um sério abalo no ego. O reencontro com a filha curou-lhe algumas feridas, apesar da sua insistência em correr mais um bocadinho com o pai. 30 ou 40 metros, de mão dada com a criança de 3 anos, com as pernas já dormentes, mas em paz. Um pouco depois, regressou a casa a mulher, com quem partilhou uma versão suave da sua aventura e pôs-se no banho.

Nunca se saberá do grau de intencionalidade da escolha da camisola que vestiu depois. Ao jantar, lia-se no seu peito: “Hercules”.

Dia Tónico

A frequência com que canções de embalar me assaltam o espírito é quase preocupante.

Este “Dia Tónico”, dedicado à minha filha, começou a insinuar-se há uns dias, numa viagem de regresso de Paredes de Coura, onde estive com muitas crianças. Vai por isso para todas elas, para quem partilhou essa experiência comigo e para uma bebé muito simpática, chamada Ana Luísa.