Música para bébés – Mobile

Ao contrário do que algumas pessoas possam pensar, não é nada complicado conciliar as convicções de músico experimental com a condição de pai dum bébé, musicalmente falando. É claro que me irrita que todas as caixas de música e brinquedos musicais tenham todas as mesmas 3 ou 4 melodias e não acredito que as sonoridades, padrões rítmicos, melodias e estruturas harmónicas escolhidas sejam as únicas capazes de estimular e agradar aos ouvidos de bébés recém-nascidos ou crianças pequenas. Tenho até sérias dúvidas sobre os efeitos que um certo efeito de “afunilamento” nas escolhas musicais dos pais, alegadamente em benefício do bébé, têm sobre o seu desenvolvimento.

A diversidade de estímulos é importante, desde que se compreendam as especificidades fisiológicas do bébé, ajustando intensidades e sendo criterioso nas escolhas. Mas a música para os bébés não devia precisar de ser “exclusiva”. Não precisa.

Ainda assim, em 2001 ou 2002, a propósito do nascimento dum bébé dum casal amigo (meus professores no Conservatório de Música em Aveiro), compus uma primeira peça a pensar neste universo da “música para bébés”. Chamei-lhe Mobile, porque na altura criei uma animação simples, em Flash, com polígonos coloridos em movimentos aleatórios.

Esta é, para já, a peça mais convencional duma playlist que estou a preparar para a Maria e que partilharei como podcast (as peças de minha autoria). Que vos parece?