Hoje: Screen Play, de Christian Marclay

No Auditório do Museu de Serralves, hoje, 26 de Setembro, às 22h00.

Grupo I: Nuno Rebelo, Marco Franco, João Paulo Feliciano e Rafael Toral

Grupo II: João Martins, Gustavo Costa e Jonathan Saldanha

Grupo III: Steve Beresford, Mark Sanders e Alan Tomlinson

Screen Play (2005) foi estreado na bienal Performa em Nova Iorque, e é inspirado pela tradição da partitura gráfica, expandindo-a para incluir imagens em movimento e elementos gráficos digitais muito simples que funcionam como sinais sugestivos de emoções, energia, ritmo, tom, volume e duração.
Três grupos musicais diferentes são convidados a fazerem, um de cada vez e em sequência, a interpretação e improvisação ao vivo baseado no fi lme ‘partitura’ projectado, permitindo ao público testemunhar o processo musical implicado em cada uma das três bandas sonoras criadas.
Christian Marclay é um artista plástico, performer e músico sediado em Nova Iorque. Desde 1979, Marclay tem experimentado com técnicas de ‘sampling’ quer sonoras quer visuais, explorando as justaposições entre estas duas dimensões da percepção e da expressão. O seu trabalho tem sido mostrado internacionalmente incluindo a participação na Bienal de Veneza e uma exposição individual na Barbican Art Gallery de Londres.

O trabalho com o Gustavo e com o Jonathan, sobre a vídeo-partitura do Christian Marclay tem sido muito interessante, até por algumas opções instrumentais menos comuns. Mas estou particularmente curioso para ver as diferentes abordagens dos 3 grupos e que leitura terá o conjunto.

Vocês aparecem, ou estão muito ocupados?

“Screen Play”, de Christian Marclay

um anúncio com a antecedência certa (nem demais, nem de menos), para não dar desculpas a ninguém:
26 Set 2008 – das 22:00 às 24:00 – AUDITÓRIO do Museu de SERRALVES

Screen Play (2005) foi estreado na bienal Performa em Nova Iorque, e é inspirado pela tradição da partitura gráfica, expandindo-a para incluir imagens em movimento e elementos gráficos digitais muito simples que funcionam como sinais sugestivos de emoções, energia, ritmo, tom, volume e duração.
Três grupos musicais diferentes são convidados a fazerem, um de cada vez e em sequência, a interpretação e improvisação ao vivo baseado no filme ‘partitura’ projectado, permitindo ao público testemunhar o processo musical implicado em cada uma das três bandas sonoras criadas.

Christian Marclay é um artista plástico, performer e músico sediado em Nova Iorque. Desde 1979, Marclay tem experimentado com técnicas de ‘sampling’ quer sonoras quer visuais, explorando as justaposições entre estas duas dimensões da percepção e da expressão. O seu trabalho tem sido mostrado internacionalmente incluindo a participação na Bienal de Veneza e uma exposição a solo na Tate Modern de Londres.

Grupo do Porto:

  • João Martins – saxofones e instrumentos electro-acústicos caseiros
  • Gustavo Costa – percussão e electrónica
  • Jonathan Saldanha – electrónica

Grupo de Lisboa:

  • Nuno Rebelo – guitarra
  • Marco Franco – bateria
  • João Paulo Feliciano – órgão
  • Rafael Toral – sintetizador modular e electrónica

Grupo de Londres:

  • Steve Beresford – electrónica
  • Mark Sanders – percussão
  • Alan Tomlinson - trombones alto e tenor