jazz.pt | Simak Dialog: Demi Masa

Simak Dialog: Demi Masa, capa do disco
Demi Masa, de Simak Dialog

CLASSIFICAÇÃO 2/5

Simak Dialog, o grupo de jazz-rock progressivo, liderado por Riza Arshad (compositor da quase totalidade dos temas) e baseado em Jacarta, capital da Indonésia, existe desde 1993 e este “Demi Masa” é já o seu quinto álbum de originais. A origem exótica é notada em raros momentos do disco, onde as percussões sudanesas kendang têm espaço para conferir ao disco uma sonoridade particular em algumas introduções de temas, como “Salilana Pertuma” e “Salinana Kerdua”, ou em “Trah Lor – Tapak”, onde pontua a voz de Mian Tiara, e são esses momentos mais exóticos, ou genuínos, que se afiguram como mais interessantes, já que o disco, globalmente, repete fórmulas ora dum Ambient Jazz (muitos discos da ECM vêm à memória aqui e ali) ou dum jazz fusão, relativamente datado, e mantém-se demasiado próximo, quer do ponto de vista da composição, quer do ponto de vista da sonoridade, dos seus modelos (Chick Corea, John Scofield, Pat Metheny…) que trilharam caminhos já exaustivamente explorados.
O disco alterna entre momentos “eléctricos” e momentos “acústicos”, com Riza Arshad e Tohpati Ario Hutomo, clássicos “frontmen”, a alinharem rigorosamente a guitarra acústica com o piano e a eléctrica com o fender rhodes e os sintetizadores, decalcando com algum brilhantismo muitos dos clichés e imagens de marca dos seus modelos, mas sem conseguirem acrescentar alguma frescura ou uma nova perspectiva. As percussões sudanesas, apesar do seu som característico, ou, por isso mesmo, parecem aprisionadas nos estreitos modelos rítmicos dos modelos ocidentais e têm muito pouco espaço para mostrarem o seu potencial, parecendo, a espaços, “transplantadas” para este projecto, mais por um capricho de marketing do que por uma real intenção de explorar eventuais interacções entre este jazz-rock e as músicas do mundo.
O disco, globalmente, tem momentos interessantes, aqui e ali, mas torna-se aborrecido na repetição, ainda que virtuosa, de modelos muito datados e na incapacidade de criar um espaço de encontro entre esses modelos ocidentais e as músicas locais, proposta que seria bem mais interessante.

Demi Masa, de Simak Dialog

Editora MoonJune Records 2009
Indonésia, 2009

  • Riza Arshad: piano eléctrico fender rhodes, piano, sintetizador analógico
  • Tohpati Ario Hutomo: guitarra eléctrica e acústica
  • Adhitya Pratama: guitarra baixo
  • Endang Ramdan: percussões sudanesas kendang (líder), pandeireta, palmas, brinquedos e vozes
  • Erlan Suwardana: percussões sudanesas kendang, palmas, brinquedos, vozes

Convidados;

  • Emy Tata: percussões sudanesas kendang, palmas, vozes
  • Mian Tiara: vozes
  • Dave Lumenta: paisagens sonoras
Texto escrito por João Martins. Depois de revisto e editado por Rui Eduardo Paes, foi publicado no nº 26 da revista jazz.pt. A publicação do texto neste blog tem como principal objectivo promover a revista: compre ou assine a jazz.pt.