Boa vizinhança

Nos últimos dias, a minha rádio tem sido esta:

F.R.I.C.S. Similar Artists

  1. Otomo Yoshihide New Jazz Orchestra
  2. Mats Gustafsson
  3. Flower-Corsano Duo
  4. Carlos Santana & Alice Coltrane
  5. Otomo Yoshihide’s New Jazz Ensemble
  6. Exploding Star Orchestra
  7. Revolutionary Ensemble
  8. Ne Zhdali
  9. Trevor Dunn’s Trio-Convulsant
  10. Alexander von Schlippenbach
  11. William Parker Quartet
  12. John Zorn f. Mike Patton, Trevor Dunn, and Joey Baron
  13. Albert Ayler And Don Cherry
  14. Polwechsel
  15. Painkiller
  16. Cato Salsa Experience and The Thing with Joe McPhee
  17. Ned Rothenberg
  18. Albert Ayler
  19. John Zorn
  20. Masada
  21. Peter Brötzmann
  22. Derek Bailey
  23. The Ganelin Trio
  24. Han Bennink
  25. Otomo Yoshihide’s New Jazz Quintet
  26. Last Exit
  27. William Parker
  28. Zu
  29. I HAVE EATEN THE CITY
  30. Loren MazzaCane Connors
  31. Ground Zero
  32. Marc Ribot
  33. Otomo Yoshihide
  34. Steve Lacy With Don Cherry
  35. Masayuki Takayanagi
  36. Alexander von Schlippenbach Trio
  37. Electric Masada
  38. Alan Silva
  39. Bar Kokhba Sextet
  40. Don Salsa
  41. Zloty Dawai
  42. Maneri Ensemble
  43. David S. Ware Quartet
  44. Cecil Taylor
  45. John Butcher
  46. Dewey Redman
  47. Joe McPhee
  48. Sun Ra
  49. Joseph Jarman
  50. Susie Ibarra
  51. NRG Ensemble
  52. Alice Coltrane
  53. Scorch Trio
  54. Spaceways Inc.
  55. Yoshida Tatsuya
  56. Old and New Dreams
  57. Rova Orkestrova
  58. Sun Ra & His Solar Myth Arkestra
  59. Geri Allen Trio
  60. Noel Akchote
  61. Mark Feldman & Sylvie Courvoisier
  62. Itiberê Orquestra Família
  63. Derek Bailey, Jamaaladeen Tacuma & Calvin Weston
  64. Billy Martin, John Medeski
  65. Spring Heel Jack & The Blue Series Continuum
  66. Prince Lasha & Sonny Simmons
  67. Punkt
  68. Pharoah Sanders
  69. Sun Ra & His Solar-Myth Arkestra
  70. Keith Jarrett & Jan Garbarek
  71. 4WALLS
  72. Art Ensemble of Chicago
  73. John Surman
  74. Baroque Jazz Trio
  75. David S. Ware
  76. Bobby Previte
  77. John Zorn’s Cobra
  78. Moondog
  79. Rashied Ali Quartet
  80. Drew Gress
  81. Evan Parker
  82. Chicago Underground Duo
  83. Ornette Coleman Double Quartet
  84. Ornette Coleman
  85. Toby Driver
  86. Eyvind Kang
  87. Peter Brötzmann Octet
  88. Ultralyd
  89. Billy Harper
  90. Jack DeJohnette featuring Bill Frisell
  91. John Medeski & Billy Martin
  92. Diatribes
  93. João Martins
  94. The Hat Shoes
  95. Paul Flaherty & Chris Corsano
  96. Wolf Eyes & Anthony Braxton
  97. Roscoe Mitchell
  98. Matthew Shipp
  99. Fela Anikulapo Kuti and the Africa 70
  100. Brown Vs. Brown

ATENÇÃO: Esta lista não foi definida por nós nem pode ser por nós controlada. Resulta da análise dos hábitos de audição de todos os utilizadores do Last.fm que ouvem F.R.I.C.S..
Eu, pessoalmente tenho sido agradavelmente surpreendido com muitas das semelhanças encontradas/propostas. E tenho descoberto algumas coisas, também.

Last.fm: o que a web devia ser…

Last.fm logoO título é um bocado exagerado, mas confesso que estou completamente rendido à Last.fm e quase “viciado” no conceito de “Internet Radio” que eles oferecem. Já tentei várias vezes explicar a pessoas que conheço como é e como funciona, mas quase nunca consigo transmitir claramente aquilo que me cativa. A verdade é que uma parte das pessoas não percebe e não perceberá, porque está demasiado habituada a formas de partilha e dowload ilegal de música e não encontra ali nada que não possa “sacar” de outros sítios sem peso na consciência.
Eu, não sendo nenhum santo, gosto da sensação de ouvir a música legalmente, não pelo medo ou pelo respeito pela indístria discográfica, mas porque me parece que aumento as possibilidades de não estar a desrespeitar a vontade dos autores, que é a única que me interessa. E na Last.fm, posso ouvir de tudo, como numa rádio, mas não posso descarregar todas as músicas (só as disponibilizadas pelos artistas ou editoras) e, nesse sentido é algo de muito próximo de estar a ouvir rádio real. Mas sem as desvantagens— não tenho anúncios, nem interrupções idiotas nem tenho que estar dependente da vontade dos programadores— e com muitas vantagens: desde a minha capacidade de modelar a programação através de tags, de relações entre artistas ou de gostos/recomendações da comunidade (isto uso pouco) até à possibilidade de ir ver o que estou a ouvir (neste momento ou há bocadinho) e encontrar informação adicional, gerada e gerida pela comunidade num modelo de wiki que funciona extraordinariamente bem.

Mas mais do que ser um valioso “upgrade” do conceito de rádio, a Last.fm surpreende-me pela extraordinária biblioteca disponível, que me oferece horas infindáveis de música de que gosto, alguma da qual desconhecia completamente, e em géneros musicais que não têm (quase) nenhum espaço na rádio tradicional (e não estou só a falar da minha música ;) ).

Experimentem pedir à Last.fm para vos tocar artistas parecidos com Fred Frith, Derek Bailey, John Zorn… ou Charlie Parker e Ornette Coleman, ou Stravinsky, Ligeti, John Cage, Risset, ou… Black Sabbath… já perceberam a ideia ou terei que sugerir Nelly Furtado para perceberem como se fazem as rádios comerciais que alguns de nós têm que gramar no carro? ;)
Experimentem mesmo e verão que o mais extraordinário é o fluxo das escolhas e das relações entre músicas que se constrói quer por sugestão das editoras e dos artistas, quer pela análise dos hábitos de escuta da comunidade de utilizadores e, quase de certeza, além de música que queriam mesmo ouvir, irá surgir música que não sabiam que queriam ouvir, música da qual já se tinham esquecido, música que nunca pensaram arrumar naquela prateleira, música verdadeiramente nova… Tudo é possível.

Ou serei eu que tenho muita sorte?

Em jeito de graça narcisista, deixo-vos o link de uma “estação” que tenho sincronizado frequentemente. E até aqui surjem agradáveis surpresas. ;)

Nota: o destaque que dou ao serviço da rádio não pretende menorizar todas as outras valências altamente interessantes da Last.fm, da qual se destaca o calendário de eventos, mas a verdade é que é este o maior factor diferenciador da plataforma, na minha opinião.

Gentlemen: tune your radios

Fanfarra Recreativa e Improvisada Colher de SopaA Fanfarra Recreativa e Improvisada Colher de Sopa – F.R.I.C.S. é, sem sombra de dúvida, um dos mais activos e interessantes projectos musicais em que estou envolvido neste momento e posso dizer, sem grandes reservas, que sou, além de fundador e participante activo, fã.

A nossa presença no MySpace tem o seu interesse e importância, dado o funcionamento actual destas redes de social networking até na marcação de concertos (!), mas sempre gostei mais da lógica da Last.fm como meio de promoção e partilha da música, por isso, é com grande alegria que anuncio que já se pode ouvir o álbum Abraço Vivo através das rádios da Last.fm. No renovado perfil dos F.R.I.C.S. também se pode aceder a vídeos de performances de rua e à lista completa das nossa actuações, com a possibilidade ver as fotografias de cada evento, numa integração Last.fm/Flickr, que me agrada particularmente.

Para quem já usa a Last.fm, fica feito o anúncio. Para quem não usa, fica a sugestão: é mesmo um outro nível de “rádio”.