Uma imagem de felicidade

Música no iTunes para quase 10 diasDesde que decidi pôr a minha biblioteca de música completamente acessível a partir de qualquer um dos meus dois computadores, colocando a biblioteca do iTunes num disco externo e importando, um a um, as poucas centenas de CDs que constituem a minha colecção de aspirante a melómano que vou observando, com algum gozo, o crescimento do número de músicas e do tempo contínuo de audição de temas diferentes que tenho neste momento, a partir dum disco rígido que já é quase um tesouro.

São quase 10 dias ininterruptos de música diversa, mas minha. Não só no sentido “adquirido”, mas principalmente no sentido “escolhido”.

Este “tesouro”, que ainda tem muito que crescer, torna os dias de trabalho mais agradáveis e, ainda por cima, o trabalho sistemático de importar todos os discos, um a um (ouvindo-os), fez-me redescobrir álbuns de que já não me lembrava ou que nunca tinha ouvido desta forma.

Sinto-me verdadeiramente enriquecido por tudo isto.

Neste Natal, de presente, eu quero que seja…

Prendas de Natal? Discos de Música ExperimentalSe tiver mesmo que comprar prendas e quiser oferecer alguma coisa rara, que (quase) ninguém tem ou oferece e que não o compromete em nada com a lógica consumista natalícia, aceite este conselho singelo:

compre música portuguesa experimental!

Há para vários gostos e bolsas, em vários locais e formatos. Em comum, têm o facto de serem edições desconhecidas, raras e quase sempre supreendentes.

Pode ir à Feira Laica e ver o que lá há. Pode comprar discos da Soopa, em particular o Abraço Vivo, da Fanfarra Recreativa e Improvisada Colher de Sopa.

Pode ir ao site da Let’s Go To War e pedir algumas ou todas as peças do fantástico catálogo: Red Albinos, Klank Ensemble, Lost Gorbachevs… só projectos de qualidade.

Pode mesmo ir à iTunes Music Store, se gostar de lojas mais “cool”, e comprar os discos de Ohmalone.

E o melhor é que pode ouvir (quase) tudo antes de escolher, aqui. Se gostar, oferece aos amigos, se não gostar… já sabem como é que isto acaba, não é?

Mas a sério: há lá coisa mais natalícia do que oferecer algo inesperado como um disco estranho de um projecto desconhecido? E ainda por cima é dentro do espírito “o que é nacional é bom” ou “cá se fazem, cá se compram”.

Não?…

Uma moedinha para o artista… acham que resulta melhor?

How little is too little?

Comparação de tamanhos dos écrãs dos novos iPods

A última aparição do Steve Jobs, como toda a gente sabe, foi para apresentar novos iPods e uma nova versão do iTunes. Estas apresentações, com o pano de fundo dos gritinhos e das palmas a despropósito envergonham-me sempre um bocado, como Mac User que sou, mas sigo-as com alguma atenção. Neste últimos caso houve 2 coisas em particular que me irritaram:

o início em que o Steve Jobs diz que vai falar sobre música e o entusiasmo de todos os presentes com o vídeo no novo nano, cujo mote é “a little video for everyone”.
Se há coisa que é verdade é que este nano é “little”, mas qual é o interesse real de fazer o écrã com a maior resolução que a Apple alguma vez usou (204ppi) se aquilo tem 4cm x 3cm? Alguém vê vídeo numa superfície desse tamanho?

How little is too little?

PS: Já os 160GB do iPod classic… isso sim parece ter alguma utilidade.

Ohmalone @ iTunes Music Store: catálogo completo

Ohmalone @ iTunes Music Store: catálogo completo

Pró menino e prá menina, para o avô, a mãe, o tio, o primo e o sobrinho. Para todos.

E agora, temos um álbum inédito, meus amigos!

Não sei quantos projectos portugueses de música experimental e improvisada têm o seu catálogo completo na iTunes Music Store. Nós estamos orgulhosos do nosso, até porque o título do segundo álbum, ∑(4!/k!*(4-k)!),  deixa a sua marca… :D