Magalhães e o Feiticeiro de Oz

O nosso Primeiro Ministro lembra-me muitas vezes o Feiticeiro de Oz. Hoje fez isso mesmo durante o anúncio com pompa e circunstância do “Magalhães”, o primeiro netbook made in Portugal  para o mercado da Educação. Quem tiver ouvido a notícia que eu ouvi, sem conhecer o projecto OLPC deve ter pensado “uau! que revolução! que grande avanço! que maravilha! que…!”

Como em Oz, temos que ir espreitar por trás da cortina, para ver o triste espectáculo de marionetas em que a gestão da coisa pública se vai transformando: se a perspectiva do projecto OLPC for demasiado parcial, podem ler no IOLDiário um artigo sobre a “guerra dos computadores portáteis para crianças”.

Infelizmente, nem sequer posso dizer que estou surpreendido. Já há muito tempo que andamos a hipotecar o nosso futuro, tecnologicamente, falando.

Os mamarrachos do Sócrates

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=QhLlNZKpjlo[/youtube]

Desculpem lá, mas fiquei confuso acerca desta questão e não estava. Para mim, a desonestidade intelectual e a fraqueza de carácter do nosso PM eram dado adquirido, mas algumas das construções à volta do tema, que fui lendo aqui e ali, preocupam-me.

Importam-se que faça 2 ou 3 perguntas?

É que, das duas uma:

  1. ou se aceita que o Sócrates mente acerca destes processos e do seu envolvimento, pelo que a responsabilidade real do próprio a nível de projecto não existe, não lhe sendo atribuível o atentado à paisagem, mas apenas o acto corrupto da altura e a mentira torpe de agora;
  2. ou se presume que Sócrates é mesmo autor das obras em causa, sendo por isso honesto ao assumi-las agora, culpado de péssimo gosto e completa falta de habilidade para o projecto arquitectónico, mas isento de culpa no que ao acto corrupto diz respeito e no exercício de funções que legalmente, ainda que mal, lhe eram permitidas.

Pelo que o Público divulga, aparentemente, apenas um dos proprietários reconhece José Sócrates como autor do projecto, pelo que é mesmo provável que ele tenha prevaricado das duas formas:

  1. como técnico corrupto, capaz de vender a assinatura e, com ela, aval técnico de obras que desconhecia, em troca de favores semelhantes (presume-se) e outros de carácter político-partidário;
  2. e como técnico incompetente no exercício de funções que lhe eram legalmente permitidas e que ele, filho de Arquitecto, se sentia capaz de exercer, ainda que o resultado seja desastroso.

Mas parece-me confuso tentar juntar as duas coisas numa só, classificando de gravosa ora as falhas éticas e deontológicas, ora as falhas técnicas e estéticas, numa aparente saraivada que atinge o PM justamente— “só se perdem as que caem ao chão”, como se costuma dizer—, mas que é pouco “cirúrgica”.
De facto, num caso e noutro o nosso PM não é mais do que o triste reflexo do país e do funcionamento de classes e corporações do mais fraco que há. E pensar que, dele, surgiriam manifestações de fra(n)queza é mais do que ingénuo.
A ética de Sócrates é como a de Pina Moura e a de tantos outros portugueses mais ou menos ilustres. É a lei. E como a lei nunca é muito bem escrita (porque haviam os legisladores de ser mais rigorosos ou competentes que a maioria dos portugueses?), há sempre um ou outro artifício à mão, para que a lei se adapte à “ética” que der jeito ao próprio e aos amigos.

Isso é mais grave se estivermos a falar do PM do que se estivermos a falar dum funcionário público ou dum assalariado do sector privado? Parece-me que sim.

Já no caso da (falta de) qualidade da obra em si, tão bem ilustrada pelo Público, podemos sempre pensar que a paisagem portuguesa está mais segura com José Sócrates longe dos estiradores mas, infelizmente, não podemos sequer dizer que é um caso único, isolado ou sequer merecedor de destaque pela negativa no conjunto das práticas construtivas do nosso país. Mamarrachos como os que Sócrates assinou— e muitos bem piores— estão espalhados de norte a sul do país, saídos da mão de engenheiros técnicos, engenheiros civis, desenhadores, mestres da construção civil, arquitectos, jeitosos e clientes de todas as classes sociais e formações que dispensaram sequer a presença de projectistas.

O sector da construção civil e a forma como se organiza, nas diferentes relações contaminadas entre os vários agentes, é um dos males que aflige o país há mais tempo e de forma mais continuada, por razões tão diversificadas como são as que explicam o nosso atraso generalizado e, num caso e noutro, a “raíz de todo o mal” pode ser encontrada nas falhas de formação generalizadas. São elas também que permitem o relaxamento dos padrões éticos e morais. São elas que explicam de forma mais completa os nosso baixos padrões estéticos, a nossa relação descomprometida com o património construído e natural, o nosso desprezo pela paisagem e pelas manifestações do belo… E são elas que explicam a difícil relação entre os dois extremos do sector da construção: arquitectos, engenheiros e técnicos superiores dum lado e mestres, encarregados e trolhas doutro. E, no meio, um deserto de incompreensão, falhas de comunicação, desrespeito e intolerância mútuas, arrogante ignorância distribuída equitativamente por todos, com um resultado desastroso: uma tensão latente constante, uma absoluta falta de coordenação de esforços e ilhas de autismo insuportáveis.

Não é por isso de estranhar que muitas vezes se procure a solução no meio do sistema, e é essa a principal razão pela qual o infame 73/73 demora a morrer.

E qualquer tentativa de colocar esta questão de forma corporativa, defendendo que a definição e protecção absoluta de territórios disciplinares na lei é a solução para os males da nossa paisagem é uma ilusão perigosa. Eu, pessoalmente, só acredito que os Arquitectos são parte da solução na mesma medida que acredito que são parte do problema. Não será legislando que se convencerá os portugueses do papel social do Arquitecto, muito menos das vantagens de contar com as suas competências no momento de fazer/remodelar/expandir a sua casinha. E, nesse sentido, duvido se se ganha alguma coisa em usar o exemplo de Sócrates, o mau engenheiro técnico, como argumento a favor dos Arquitectos. É bem possível que se eleja um par de Arquitectos-Políticos para uma outra Galeria de Mamarrachos, tão ou mais pungente que a de Sócrates. Ou não?