Assunto Sério

PROCURA-SE
Crítico de Musicais (m/f)

Exige-se:

  • gosto por musicais e vasto contacto com as principais produções de referência (Cats, Jesus Christ Super Star, Hair, Les Misérables, Phantom of the Opera, West Side Story em Nova Iorque e Londres, por exemplo)
  • conhecimentos técnicos para avaliação rigorosa de áreas performativas (canto, dança e interpretação) e técnico-criativas (composição, arranjo, adaptação, encenação, desenho de som e luz, cenografia)
  • independência e rigor na escrita de recensões críticas

Oferece-se:

  • possibilidade de desmascarar a fragilidade técnica e artística das supostas grandes e bem sucedidas produções portuguesas
  • um mercado onde não existe concorrência
  • respeito e solidariedade

Objectivo:

  • ajudar a “crítica” portuguesa a abandonar a lógica “Almadina” do “não vi e não gostei” e a alternativa estratégia da avestruz
  • dignificar a produção performativa num género com pouca expressão no nosso país e que, por isso, está entregue aos bichos
  • ajudar o público bem-intencionado a perceber se e quando está a ser enganado

Para mais informações, dirija-se a uma sala de espectáculos com um musical em cena próxima de si.
Contacte um orgão de comunicação social sério e ofereça os seus préstimos.

Obrigado.

Na ordem do dia: um agradecimento ao Alexandre Alves Costa

 O Arquitecto Alexandre Alves Costa esteve ontem Na Ordem do Dia, o programa da TSF em que as diferentes ordens profissionais têm tempo de antena. Não é irrelevante que tenha estado em representação da Ordem dos Arquitectos, mas a intervenção que fez diz-nos respeito a todos e põe muitas coisa na ordem do dia.


A mim, marcou-me o dia e devolveu-me um sentimento de admiração pela classe dos arquitectos pela qual nutro uma complexa mistura de amor e ódio… uma paixão assolapada, de facto.

Acho que a audição desta breve intervenção faz bem à alma de toda a gente que se preocupa com a cidade (a do Porto, particularmente), com a cultura e com o exercício activo e enérgico da cidadania.

Obrigado, Alexandre. Muito obrigado.