As ruínas dum centro do mundo

Saint-Hyppolite, Bonnay

O projecto A Língua das Pedras, que estamos a preparar no Visões Úteis para Cluny 2010, arrancou com uma viagem por sítios de Cluny. Pelo caminho perguntámos a algumas pessoas se se sentiam mais perto ou mais longe daquilo a que poderíamos chamar o «centro do mundo». O sentido da pergunta liga-se directamente ao significado para a construção da Europa Moderna da rede que a Ordem de Cluny começou a tecer no século X: Cluny, que agora é uma pequena cidade de província, na Borgonha, já foi, de alguma forma, o centro do mundo e as suas ramificações, como Saint Hyppolite, ilustrado nesta fotografia, estavam todas bastante próximas, do ponto de vista geopolítico, desse centro. Agora, atravessámos o campo francês, muitas vezes para visitar ruínas, como estas.

Muitas respostas foram surpreendentes.

Pequena descoberta

A web tem destas coisas: fui dar uma espreitadela à sala de refeições do Guilherme e, a partir das leituras recentes dele, dei de caras com uma entrevista (em espanhol) ao Francesco Carreri, autor de “Walkscapes, walking as an aesthetical practice”.

Para os leitores recentes isto não quer dizer nada, mas para quem me conhece há tempo suficiente para saber que eu (no Visões Úteis) estive envolvido na criação de dois audiowalks, lembra-se de algumas referências ao Carreri

Está tudo ligado!