Trisha Brown Dance Company em Serralves

Com a participação da Fanfarra Recreativa e Improvisada Colher de Sopa (F.R.I.C.S.) e Fanfarra de S. Bernardo

29 e 30 de Março 2008, 22h00
Auditório da Fundação Serralves, Porto

Um anúncio Soopa:

Trisha Brown Dance Company

Integrado no Ciclo Paralelo à Exposição “Robert Rauschenberg: Em viagem 70-76“, o espectáculo da Trisha Brown Dance Company inclui 5 coreografias, que abarcam 27 anos da carreira da seminal coreógrafa norte-americana.

A última peça do programa, “Foray Forêt” (1990), com figurinos de Robert Rauschenberg, tem como ambiente sonoro temas interpretados por uma fanfarra ou banda filarmónica recrutada no local de cada apresentação; este ambiente sonoro tem como objectivo uma evocação do imaginário musical dos cortejos e procissões da infância da própria Trisha Brown.

O repertório musical e ideológico da F.R.I.C.S. alicerça-se neste imaginário, embora os seus temas sejam improvisados, não pertencendo ao “corpus” da música escrita para um contexto filarmónico. A colaboração com a Trisha Brown Dance Company será a primeira vez em que a F.R.I.C.S. irá interpretar e trabalhar sobre música escrita, em concreto marchas e outras peças do repertório tradicional das fanfarras portuguesas.

A situação é tão mais específica e estimulante quanto consiste na primeira colaboração da F.R.I.C.S. com um agrupamento genuíno de músicos de fanfarra, a Fanfarra de S. Bernardo (Aveiro).

Uma nota paralela (e posterior): fiquei a saber agora, e muito me agrada, que a exposição de Robert Rauschenberg é a segunda exposição mais vista da história de Serralves.