Categorias
família paternidade puericultura

Nota breve acerca da importância dos standards

A Maria completa um mês de vida no próximo dia 21 e quase desde o primeiro dia que me incomoda a inexistência de “standards” na roupa para bébé. Os pais que andam por aí sabem bem do que estou a falar, mas é tempo de dizer bem alto: “se a esmagadora maioria da roupa das crianças e adultos obedece a regras relativamente simples que facilitam a generalização rápida dos processos de vestir e despir, porque carga de água é que a roupa dos bébés tem que ter toda o seu próprio sistema de enfiar, apertar, segurar… à frente, atrás, pela cabeça, pelas pernas, com fitinhas, com molinhas, simétrico, assimétrico… chiça!

Proponho, desde já, a formação dum comité de normalização e submeto duas ou três ideias base:

  • desaconselhar peças de enfiar pela cabeça para os primeiros meses
  • desaconselhar peças de apertar atrás para os primeiros meses
  • banir camisolinhas interiores presas com fitinhas que NUNCA ficarão seguras nas polainas
  • normalizar a indicação do tamanho em função do comprimento e peso do bébé e NUNCA em função da idade em meses
  • criar um sistema internacional de representação gráfica das diferentes tipologias que permitam aos pais, seleccionar rapidamente as peças em função das formas de enfiar e das “tecnologia” de aperto a que melhor se adaptam, evitando o processo moroso e frustrante de procurar um “body” ou um “babygrow” com um daqueles desenhos giros que, além de ter o tamanho certo, não seja uma daquelas peças que demora 2 minutos a vestir, me vez de 30 segundos

Se quiserem apresentar outras contribuições, força. Eu tenho ainda menos de um mês de experiência mas já há tanta coisa que gostava de ver “normalizada”, que vocês nem imaginam.