Ser solitário no blog ou a andar entre a gente, no Twitter?

Não existem relações reais online. Por isso, obviamente, lhes chamamos virtuais. Estamos por isso todos muito sozinho, por aqui, cada um atrás do seu teclado e monitor, vertendo banalidades ou profundas reflexões, comentando o quotidiano ou relatando ficções— que podem ou não ser absolutamente verdade, dependendo da relação que mantemos com o Boris Vian—, mas acima de tudo, numa batalha quixotesca contra a ideia de estar sozinho, sem nunca quebrar de facto a barreira (virtual) que nos separa uns dos outros. Por isso— estou eu agora a pensar— escrevemos mais do que lemos, republicamo-nos uns aos outros, comentamos sem contracenar, conversamos, desconversando. Sempre isolados, modelando a imagem dessa solidão de acordo com expectativas do que gostávamos que a nossa vida real fosse, uns com imensos amigos e em todos os “lugares”, outros protegidos em “clubes privados” ou fechados nas suas “casas”.

Acima de tudo, pelo menos uma parte de nós faz de conta que esta coisa de escrever e publicar coisas que outras pessoas podem ler é qualquer coisa de parecido com participar na vida pública das nossas sociedades e uma parte de nós acredita que o que escreve é relevante e deve ser lido, enquanto outros, que se levam ainda mais a sério, quiçá, fazem de conta que não dão importância nenhuma ao facto de serem ou não lidos, acompanhados ou comentados.

Entretanto, a vida lá fora, a real, prossegue a uma velocidade que nos parece crescer sempre mais e mais, mas que provavelmente é constante, crescendo apenas a nossa voracidade do relato e comentário em “tempo real”, para acompanhar as “ferramentas” que são inventadas com as necessidades que se propõem suprir, um mecanismo antigo da sociedade de consumo.

Depois desta breve pausa, dedicada à Ágata, seguiremos dentro de momentos, por aqui, com esta vida plastificada e acelerada, felizmente, apenas virtual.