Perfeitamente (a)normal

Ouvi a notícia do acidente no Centro Comercial Dolce Vita de Vila Real na TSF e ouvi, com algum espanto, um responsável do Conselho de Administração dizer que tudo tinha sido normal e que estavam satisfeitos porque o sistema de detecção e combate a incêndios tinha funcionado como seria de esperar. Vi mais pormenores na notícia do Público e fiquei ainda mais admirado. De facto, é perfeitamente normal que um sistema de detecção de incêndios detecte um pequeno fogo no exterior do Centro Comercial, caso o fumo chegue lá dentro, como foi o caso. É também normal, em determinadas circunstâncias —quanto fumo, temperatura, o padrão de distribuição do fumo— que os aspersores (todos ou alguns, dependendo das tais circunstâncias) se liguem para combater o eventual incêndio logo no início. Se assim não fosse, um acidente doutra natureza, como um fogo de grandes dimensões seria difícil ou impossível de evitar.

O que já não é nada perfeitamente normal é que um pequeno fogo no exterior, por muito fumo que tenha produzido e transportado para o interior do parque de estacionamento, despolete aspersores em zonas de acesso ao dito parque e que a água desses aspersores ensope o material dos tectos falsos, fazendo-os desabar e provoque, desta maneira, um ferido. Achar que esta é a resposta normal dum sistema de detecção e combate a incêndios e que não há nada de anormal no desabamento dum tecto falso provocado pelo dito sistema é, no mínimo, insultuoso da inteligência geral e, em particular, insultuoso para a vítima que, deste ponto de vista, apanhou com umas placas de gesso cartonado em cima por questões perfeitamente normais relacionadas com o funcionamento dum sistema de segurança.

É a gozar?

Adúlteros Desorientados: estreia no Porto, vai a Aveiro e a Vila Real

Adúlteros Desorientados é a primeira produção do Visões Úteis em 2008 (e a minha primeira banda sonora do ano) e é uma nova incursão no género do “teatro portátil”— espectáculos capazes de se adaptar a vários tipos de espaços, com condições técnicas e ambientes tão diversos como galerias de arte, salas de teatro, bares e cafés…

Adúlteros DesorientadosEste novo monólogo, protagonizado pelo Pedro Carreira, foi construído através da adaptação de Contos de Adúlteros Desorientados, de Juan José Millás, escritor e jornalista espanhol.

Eu estou muito satisfeito com o resultado e muito entusiasmado com a aposta do Visões Úteis num formato que permite uma circulação fora do comum. Só para que se perceba a portabilidade desta proposta, vejam a agenda:

  • estreia a 15 de Janeiro, no Espaço Serv’Artes, no Porto, onde se apresentará todas as terças-feiras, às 22h00, até dia 25 de Março (são 11 terças-feiras)
  • no fim de semana a seguir à estreia, estará em Aveiro nos dias 18 e 19 de Janeiro (sexta e sábado), no Mercado Negro, também às 22h00
  • no fim de semana seguinte, estará em Vila Real, no dia 25 de Janeiro (sexta-feira), no Teatro de Vila Real, também às 22h00

Escolham o local e a data que vos convier. E, se estivermos ainda muito longe, façam propostas de novos sítios.

A sério… proponham.